Michel Laub

Mês: julho, 2013

Falácias sobre a literatura

1. “A ficção melhora a vida das pessoas.” – Duvido que ler Céline ajude um funcionário de banco a trabalhar com mais eficiência, arrumar uma namorada ou parar de beber.

2. “Há muita inveja no meio literário.” – Sim (dizem), mas com os amigos é o contrário. Torcemos para que seus livros sejam bons, porque dilemas éticos dão certa preguiça: em algum momento precisaremos decidir se os elogiamos hipocritamente, talvez em público, ou deixamos a amizade avinagrar.

Texto publicado na Folha de S.Paulo em 19/7/2013. Íntegra aqui.

Anúncios

Fim de semana

Um disco – Slow focus, Fuck Buttons.

Um filme – Hannah Arendt, Margarethe Von Trotta.

Um documentário – Copa União (aqui).

Um relançamento – Febre de bola, Nick Hornby (Companhia das Letras, 351 págs.).

Uma reabertura – Bueno.

Egopress

1) Meu novo romance, A maçã envenenada, sai pela Companhia das Letras em agosto. Um trecho foi publicado hoje, 14/7, no caderno Ilustríssima, da Folha de S.Paulo. Aqui, um trecho um pouco maior.

2) Este mês estreei uma coluna na revista Vip, com dicas de livros, filmes, discos etc.

Fim de semana

Um livro – Pulp Head, John Jeremiah Sillivan (Companhia das Letras, 326 págs.).

Uma reportagem – Consuelo Dieguez sobre a quebra da Varig na Piauí.

Um disco – Comedown Machine, The Strokes.

Uma granola – Native.

Um Filme – Os amantes passageiros, Pedro Almodóvar.

A era dos extremos

Numa ótima entrevista ao “Roda Viva” de 10/6, dias antes da onda de protestos começar, o arquiteto Paulo Mendes da Rocha falou das esferas centrais na análise da vida nas cidades: a sabedoria – técnica, científica – e a política. Na primeira, quase tudo é possível. A engenharia moderna é capaz de cavar túneis, construir pontes, proteger arranha-céus contra terremotos, fazer o gás sair da bica do fogão. Já a segunda é um problema.

Texto publicado na Folha de S.Paulo em 5/7/2013. Íntegra aqui.

Fim de semana

Uma exposição – Lucian Freud no Masp.

Um documentário sobre SP – Entre Rios, Santa Madeira (aqui).

Um vídeo sobre democracia – Ivan Krastev no Ted (aqui)

Uma maionese – Batatinha.

Um romance – Digam a Satã que o recado foi entendido, Daniel Pellizzari (Companhia das Letras, 184 págs.).

Sobre arte x publicidade

Sempre tive problemas com publicidade, alguns de ordem cognitiva: não entendo por que anúncios precisam ter uma piada ao final, nem por que a mensagem às vezes parece ser contra o produto, nem por que alguém entraria num consórcio de casa própria seguindo a recomendação de Paulo Goulart.

Texto publicado na Folha de S.Paulo em 12/4/2013. Íntegra aqui.