Michel Laub

Mês: setembro, 2018

Fim de semana

Um perfil – Wolfgang Tillmans por Emily Witt (aqui).

Um site – Crônica brasileira no IMS (aqui).

Um best-seller que vale – O Carrasco do Amor, Irwin D.Yalom (Harper Collins Brasil, 336 págs.).

Um documentário – Active Measures, Jack Bryan.

Um filme – O Paciente, Sergio Rezende.

Anúncios

Egopress

– Esta semana chega às livrarias o primeiro Anuário Todavia, que editei junto com o André Conti e a equipe da Todavia Livros. São ficções, reportagens e ensaios de mais de 40 nomes brasileiros e estrangeiros sobre os vários sentidos do termo “apocalipse”. Mais informações e vendas: https://goo.gl/JFDJfL

– Na próxima segunda, 17/9, 11h40, falo para os alunos da escola Villare, em São Caetano do Sul, sobre o Diário da Queda.

– Resenha da edição inglesa do A Maçã Envenenada no Minor Literature[s]: https://goo.gl/P5pU44. E uma do Tribunal da Quinta-Feira no Homo Literatus: https://goo.gl/XdbKWh

– Entrevista minha para a seção Inquérito do jornal Rascunho: https://goo.gl/tH3GVx.

Fim de semana

Um romance A Vida Escolar de Jesus, J.M. Coetzee (Companhia das Letras, 259 págs.).

Um ensaio – Contra os Filhos, Lina Meruane (Todavia, 176 págs.).

Um filme – You Were Never Really Here, Lynne Ramsay.

Um clipe – Suspirium, Thom Yorke (aqui).

Uma exposição – Bienal.