Michel Laub

Mês: outubro, 2010

Feriado

Uma biografia Bill Graham apresenta: minha vida dentro e fora do rock (Barracuda, 573 págs.).

Uma exposição – Thomas Dozol no + Soma.

Um filmeAntes que o mundo acabe, Ana Luiza Azevedo.

Um lugar para comer pão Saj – Saj.

Uma performance – Furry Lewis tocando violão em When I lay my burden down (aqui).

Anúncios

Filmes da mostra de SP cuja sinopse não dá muita vontade de sair de casa

(Textos do Guia da Folha):

Ano Bissexto (México, 2010) – Laura vive em profunda melancolia, até que decide acabar com a dor da existência. Arturo a ajudará nessa empreitada.

A árvore (França/Austrália, 2010) – Após a morte do marido, Dawn se vê sozinha com quatro crianças no interior da Austrália. Para completar, uma figueira ameaça as fundações de sua casa.

Um dia a menos (México, 2009) – Um casal de velhos marca o tempo pelos feriados, que é quando seus filhos chegam para visitá-los, quebrando o silêncio de seus dias ordinários.

Jean Gentil (República Dominicana/México/Alemanha, 2010) – Jean vive em Santo Domingo e busca desesperadamente encontrar seu lugar no mundo. Como outros homens, ele desaparece em meio à realidade à sua volta.

Mamma gogo (Islândia/ Noruega/ Suécia/ Alemanha/Reino Unido, 2010) – A experiência pessoal do diretor que vê a mãe desaparecer aos poucos, vítima de Alzheimer.

Beyond (Suécia/Finlândia, 2010) – Numa manhã, Leena recebe a notícia de que sua mãe está morrendo. Depois de anos, ela precisa encarar o passado para seguir em frente.

Lily sometimes (França, 2010) – História de duas irmãs que tentam lidar com a morte da mãe.

(Turquia, 2009) – Após o suicídio da mãe, dois irmãos decidem encontrar o pai, que vive sozinho numa ilha, para contar sobre o ocorrido.

Clube do suicídio (Alemanha, 2010) – Ao nascer do sol, cinco pessoas se encontram no topo de um arranha-céu para cometerem suicídio.

Performance do dia

Fim de semana

Um livroMuchacha, Laerte (Companhia das Letras, 96 págs.).

Uma exposição – Miguel Rio Branco, MIS.

Um filmeDois irmãos, Daniel Burman.

Um lugar (caro) para comer farinha com vinagre em Santana – Costellone Villares.

Uma músicaNigel Mansell on fire (the lion), Gregório de Mattos.

Tweets/links

(@michellaub):

– Entrevistas/debates de Bernard Pivot com Nabokov, Bellow, Doris Lessing, Jorge Amado e outros: http://tinyurl.com/2b2o9a7, via @sarmatz

– Ritual dos mortos e circuncisão em Madagascar: http://tinyurl.com/2g7jorv

– 10 escritores brasileiros e suas más influências no blog do @sergiotodoprosahttp://tinyurl.com/2dggt59

– Insetos raros: http://tinyurl.com/37abcw3

– Tinta caindo na água: http://tinyurl.com/24cpldy

– Letras de Thomas Pynchon musicadas: http://tinyurl.com/36y55mf,via @dlima e @cydlos

– Ilustrações japonesas de anatomia, séculos 17-19: http://tinyurl.com/28mqr3h, via @albertocairo e @epimenta

– 2ª parte da melhor reportagem sobre o STF: http://tinyurl.com/3yfq3ew. 1a parte: http://tinyurl.com/278veox

– Fotos coloridas da Segunda Guerra: http://tinyurl.com/24wlobj

– 10 regras para andar de bonde, por Machado de Assis: http://tinyurl.com/2cdghzb, via @_brunoduarte

Fim de semana

Um show – Air.

Um setlist – demos de Bob Dylan, 1962-1964 (aqui).

Um filme bom feito em cima de uma teseTropa de elite 2, José Padilha.

Um filme mais ou menos feito em cima de uma teseWall Street 2, Oliver Stone.

Um livroMemória de elefante, Caeto (Companhia das Letras, 232 págs.).

Voando de primeira classe numa companhia aérea do Uzbequistão

Craigg Murray em Diplomacia suja (Companhia das Letras, 485 págs.), seu livro de memórias:

“Era um cardápio de pelúcia, com capas de couro verde e uma corda dourada envolvendo a lombada. Havia oito entradas e pratos principais, divididos entre a culinária uzbeque e a europeia (…). A moça voltou para perguntar o que queríamos, mas percebi que ela não tinha nada para tomar nota (…). Fiz todos os pedidos (…). Quando terminei, ela continuou em pé, sem jeito, apoiando-se ora numa perna ora noutra, como se precisasse ir ao banheiro.

‘Ah, temos o peixe’, disse ela.

‘Perdão’

‘O peixe nós temos’, disse ela, talvez preocupada com a ordem das palavras.

‘Você quer dizer que não tem as outras coisas?’

De novo aquele olhar de alívio que ela conseguira transmitir.

‘Mas temos o peixe’.

Olhei para o meu pessoal, que sorria abertamente, menos Fiona, que parecia aborrecida.

‘Está bem, pode pedir quatro peixes.’

‘Três peixes’, respondeu ela.

‘Desculpe’, disse eu, como fazem os britânicos quando há um problema que não é de nossa responsabilidade, ‘são quatro peixes’. Fiz um gesto mostrando que éramos quatro.

‘Temos três peixes’, repetiu ela.

‘Somos quatro’, comentei. ‘O que mais você tem?’

Ela olhou em torno, lançando olhares rápidos, como se buscasse um jeito de escapar. Depois se recompôs, com outro sorriso de alívio.

‘Sanduíche’, disse ela, pronunciando a palavra com cuidado.

Aquilo era melhor. Talvez os meninos preferissem um sanduíche a um peixe indefinido.

‘Que sanduíches você tem?”

‘Peixe’, respondeu ela. ‘Sanduíche de peixe.’

Resolvemos pedir três pratos de peixe e um sanduíche de peixe. Dei outra olhada no cardápio. Não havia peixe nenhum, além de cavala defumada com alface, como entrada. Ficamos imaginando o que viria. Fiona apertou meu braço e sorriu. ‘E isto é primeira classe! Será que só tem três peixes para alimentar todo o avião?’

‘Jesus conseguiu’, comentou Jamie.”

Música do dia

Via Marildinha:

Fim de semana

Um filmeVincere, Marco Bellochio.

Um livroDiplomacia Suja, Craig Murray (Companhia das Letras, 485 págs.)

Uma entrevista – Michel Houellebecq na Paris Review (aqui)

Um discoShame, Shame, Dr. Dog.

Um quilo – Casa da Vovó, Artur de Azevedo.

Tweets/links

(@michellaub):

– Bonecos caídos, montanhas-russas em pedaços: parques americanos abandonados. http://tinyurl.com/3xdw8a2, via @carolbensimon

– Detalhes coloridos de células, glândulas, fios de cabelo, papilas gustativas: http://tinyurl.com/y9obto4

– Gente pulando no mar e na piscina:http://tinyurl.com/29rzfhu

– Como escritores brasileiros chegam às grandes editoras, por @raqcozerhttp://tinyurl.com/32y4dd6http://tinyurl.com/2aoybbf

– Como Luiz Schwarcz recusa originais, e como teve um livro recusado pela própria editora: http://tinyurl.com/33yo3hr

– Fliperama soviético: http://bit.ly/c0Sxsn, via @wagnerm25 e @cabrapreta

– Casal e filho fotografados uma vez por ano, ao longo de anos, no mesmo lugar: http://tinyurl.com/2agvpwd

– 24 sotaques de inglês: http://tinyurl.com/3898kyg, via @parada

– Adolescentes jogando carta, namorando e dormindo na Rússia:http://tinyurl.com/25pqrk5, via @rlevino

– 100 melhores primeiras linhas de romance: http://tinyurl.com/57tfcs,via @_jag

Tweets/links

(@michellaub):

– Fotos coloridas da vida na Rússia, 1909-1912:http://tinyurl.com/36wmgnx

– “As viagens de Gulliver” segundo Bohumil Stepan, ilustrador tcheco:http://tinyurl.com/36y8oy9. Via @espingarda

– Fotos de piscinas: http://tinyurl.com/33ehydv. E um conto ótimo que se passa numa piscina: http://tinyurl.com/3xezr5f

– PDF da entrevista do Faulkner, a melhor da série da Paris Review:http://tinyurl.com/3x6jxuo

– Matéria longa e boa sobre ressaca: http://tinyurl.com/5pn2zv. Mas eu não seguiria o conselho de Kingsley Amis

– Fotos das casas e estúdios de Balthus, Matisse, Calder, Goethe, Dostoiévski e Tolstói, entre outros: http://tinyurl.com/2dt5z9q

– Poligamia na América:http://migre.me/16TvR

– Como vivem os ex-presidentes brasileiros: http://tinyurl.com/282wokz. E como viajam os africanos (via @LordAss): http://tinyurl.com/275ohpa

– 99 tuiteiros indispensáveis, segundo a revista VIP:http://tinyurl.com/38jbc93. Estou na lista pelo melhor dos motivos

– Tênis feminino em câmera lenta: http://tinyurl.com/2bok7dp, via @ricardolombardi