Michel Laub

Mês: dezembro, 2019

Retrospectiva do futuro

Ricardo Aleixo em Queridos Dias Difíceis, 2014 – “Queridos dias difíceis,/ acho que já deu – embora// eu considere prematuro/ um definitivo adeus.// Querendo, voltem. Minha/ casa é de vocês. Agora,// pensem bem se será mesmo/ saudável nos testarmos em// novos convívios tão longos/ (também não sou fácil) como// foi desta vez. Menos mal se/ vierem em grupos – tantos,// em tais e tais períodos do mês./ Topam correr o risco? Vão resistir// até o fim? Podem vir, eu insisto./ Mas contem primeiro até três.”

Ana Martins Marques em O Livro das Semelhanças, 2015 – “Há estes dias em que pressentimos na casa/ a ruina da casa/ e no corpo/ a morte do corpo/ e no amor/ o fim do amor/ estes dias/ em que tomar o ônibus é no entanto perdê-lo/ e chegar a tempo é já chegar demasiado tarde/ não são coisas que se expliquem/ apenas são dias em que de repente sabemos/ o que sempre soubemos e todos sabem/ que a madeira é apenas o que vem logo antes/ da cinza”

Bruna Beber em Barragem, 2009 – “deve ser perigoso/ este gosto recorrente/ de incêndio na boca// mas não há saliva pra apagar/ e não há saliva que apague/ por isso falo pouco// não sei o que de fato queima/ fecho a boca e o fogo sai/ pelo nariz// respiro mal, meu ar é qualquer fumaça/ queria um gosto bom, queria pernas/ pra sair correndo.”

Julia de Souza em Aquele Furo, 2019 – “Aquela bandeira/ cravada na esfera/ perfurando o tempo/ ultrapassando antes/ da hora o século/ aquela bandeira/ aquela bandeira ainda/ aquela tela estrelada/ aquela nação/ o que diria/ aquela bandeira/ aquela bandeira ainda/ o que diria ela/ sobre a própria sombra/ sobre a duração?”

Daniel Pellizzari em A Fome é uma Coisa Molhada”, 2018 – “Existe alguma dignidade em ser o último, ou pelo menos alguma tristeza, e toda tristeza é digna. Mas não cheguei até aqui pra só chegar até aqui. Nasci cabrita e depois ganhei pênis, mas perdi esse privilégio. Sou fancha e branca, sou pobre e humana, sou negra e rica, sou hétero e cabra. Acho que sou judia também, e assexual, e ambidestra, e cigana e inseto. Eu sou escrota. Meu porão é uma arca morta. Eu sou maravilhosa (…). Ontem a gente vai cruzar o parque. Em frente.”

Trechos de coletânea com trechos inspiradores (dependendo do ponto de vista) para 2020, publicada no Valor. Íntegra aqui.

Fim de semana

Uma série – A Segunda Guerra em Cores.

Um documentário – Mystify, Richard Lowenstein.

Um filme dando um desconto – Dois Papas, Fernando Meirelles.

Um texto – Jia Tolentino sobre Instagram e clínicas estéticas (aqui).

Um texto de 1996 – Modesto Carone sobre Thomas Bernhard (aqui).

Diante da barbárie

“O sol é um astro frio. Seu coração, espinhos de gelo. Sua luz, sem perdão. Em fevereiro as árvores estão mortas, o rio petrificado, como se a nascente não vomitasse mais água e o mar não pudesse engolir mais. O tempo congela”.

Assim começa A Ordem do Dia, do francês Éric Vuillard, romance que ganhou o Prêmio Goncourt de 2017 (Tusquets, 140 págs., tradução de Sandra M. Stroparo). O trecho é menos solene e mais irônico do que parece, considerando o que pode haver de ironia numa tragédia histórica. Trata-se da ficcionalização de um encontro real, em 1933, entre dirigentes nazistas e barões alemães da indústria e das finanças.

O propósito era arrecadar fundos para o partido que recém chegara ao poder. Em alguma fresta das conversas, em meio à “neblina de seus ânimos e de seus cálculos”, esses senhores vetustos tiveram a chance de dizer não ao projeto claro que lhes foi apresentado – e não disseram. Premiadas pela adesão, empresas como Bayer, Siemens e Telefunken tiveram grande crescimento durante os anos de preparo e implantação da Segunda Guerra.

Vuillard não está preocupado com as justificativas individuais desse oportunismo. A pergunta central do romance é mais ampla, embora passe pelas pequenas peças que o ego e a consciência de classe pregaram nos envolvidos: em que medida as próprias regras da civilização, incluindo as leis, a linguagem, a etiqueta e o teatro do poder como um todo, não foram corresponsáveis pela vitória da barbárie? Além do encontro de 1933, o romance descreve eventos como um jantar em Londres no dia em que a Alemanha anexou a Áustria, em 1938, entre o ministro alemão das relações exteriores Joachim Von Ribbentrop e o primeiro ministro inglês Neville Chamberlain; e as tratativas sobre detalhes jurídicos e operacionais dessa anexação, em Berchtesgaden, na Baviera, entre o chanceler austríaco Kurt Schuschnigg e o próprio Adolf Hitler.

Trecho de artigo publicado no Valor Esonômico, 6/12/2019. Íntegra aqui.

Fim de semana

Um romance – Sobre os Ossos dos Mortos, Olga Tokarczuk (Todavia, 256 págs.).

Duas novelas – A Ponte Flutuante dos Sonhos/Retrato de Shunkin, Junichiro Tanizaki (Estação Liberdade, 156 págs.).

Um filme obsoleto e bom – História de um Casamento, Noah Baumbach.

Um filme obsoleto e médio/ruim – Um Dia de Chuva em Nova York, Woody Allen.

Um documentário – Diego Maradona, Asif Kapadia.

Fim de semana

Um ensaio – Susan Sontag por A.O. Scott (aqui).

Outro – Ansiedade e remédios por Sasha Frere-Jones (aqui).

Um documentário – Bikram, Eva Orner.

Uma mostra pequena/derivada – William Blake, Casa das Rosas.

Um disco – MTV Unpluged, Courtney Barnett.

%d blogueiros gostam disto: