Michel Laub

Mês: maio, 2019

Fim de semana

Uma série – Chernobyl.

Uma exposição – Leonilson, Fiesp.

Um livro – Entre Nós, diálogos com Philip Roth (Companhia das Letras, 176 págs.).

Um relato – Guinevere Turner e a infância num culto (aqui).

Um disco – Roberto Carlos por Nando Reis.

Anúncios

Fim de semana

Um filme – Border, Ali Abbassi.

Uma exposição no MASP – Tarsila do Amaral.

Outra – Djanira.

Um perfil – Dexter Filkins sobre John Bolton (aqui).

Uma montagem – Uísque e Vergonha, Juliana Frank/Michelle Ferreira/Nelson Baskerville.

Anticorpos contra a má fé

Ainda se faz grande jornalismo por aí, e na essência ele continua o mesmo. O que mudou foi o modo como as notícias são consumidas: na esteira da eleição de Trump, Bolsonaro e seus colegas populistas e autoritários mundo afora, já virou clichê falar da crise da informação diante do reinado da opinião e da propaganda.

É com algum sentido histórico, portanto, que lemos “Repórter”, as memórias do jornalista americano Seymour M. Hersh (Todavia, 384 págs, tradução de Antônio Xerxenesky). Em vários aspectos, trata-se de um documento sobre o que o autor chama de “era de ouro” – pré-redes sociais, em alguns casos pré-onipresença televisiva, quando as mentiras de governos, corporações e outras instâncias de poder eram combatidas com o simples relato dos fatos.

Antes de mais nada, o livro é um depoimento sobre a carpintaria e os dilemas éticos do ofício que tornou esse combate possível. Hersh fala de técnicas de apuração, das relações delicadas com fontes, da busca sempre acidentada por documentos e pessoas que confirmem histórias difíceis. Suas credenciais para a empreitada falam por si: entre outros furos, foi ele que revelou o massacre de civis por soldados em My Lai, durante a guerra do Vietnã, em 1968; a espionagem da CIA contra seus próprios cidadãos, sob a complacência dos governos Johnson e Nixon, nos anos 1960/1970; e as torturas sofridas por prisioneiros em Abu-Ghraib, na sequência da invasão do Iraque, em 2003.

Trecho inicial de texto publicado no Valor Econômico, 10/5/2019. Íntegra aqui.

Fim de semana

Uma entrevista – Antunes Filho, 1998 (aqui).

Outra – Paulo Pachá sobre a Idade Média e o bolsonarismo (aqui).

Uma terceira – Henrique Carneiro sobre a história das drogas (aqui).

Um livro – Cat Person, Kristen Roupenian (Companhia das Letras, 256 págs.).

Um Filme – A Noite de Doze Anos, Álvaro Brechner.

Egopress

– No próximo sábado, 4/5, às 15h, na Tapera Taperá (SP), converso com Luiz Antonio de Assis Brasil sobre o seu livro Escrever Ficção.

– Na quarta 8/5, às 19h30, no auditório da Academia Mineira de Letras, em Belo Horizonte, participo de uma mesa no IX Enapol (Encontro Americano de Psicanálise de Orientação Lacaniana).

– Dissertação de mestrado de Bárbara Luiza Vilaça dos Santos, da UFMG, sobre a “escrita do trauma” no Diário da Quedahttps://bit.ly/2GSoVks

– Artigo de Rex P. Nielson, da Brighan Young University, na Revista de Estudos Literários da UEMS, sobre o conceito de “masculinidade tóxica” nos livros meus e do Luiz Ruffato (link do pdf na página): https://bit.ly/2PHq42q