Assim é se parece

por Michel Laub

“Nosso mundo (…) simplifica as discussões sobre moralidade, mas dificulta a verdadeira moral.” “O discurso sobre justiça chama muito mais a atenção do público do que os próprios fatos que exigem justiça”. “As eleições de 2016 (…) [mostraram] que as piores coisas da Internet estavam agora moldando, e não mais refletindo, as piores coisas da vida off-line.”

São frases de Falso Espelho, da jornalista e ensaísta Jia Tolentino (Todavia, 368 págs., tradução de Carol Bensimon), coletânea de ensaios que pode ser lida como uma variante híbrida de autobiografia: cada fato pessoal descrito, como participar de um reality show em Porto Rico ou frequentar uma igreja em Houston, diz algo sobre a cultura de nossa época. Assim como os fenômenos culturais analisados – de livros e filmes a hábitos de consumo, padrões estéticos femininos, drogas, linguagem – são transformados pelos filtros bastante particulares da autora.

No conjunto, Jia parece se guiar por uma citação que faz da filósofa italiana Adriana Cavarero, tão óbvia quanto verdadeira: “A identidade não é o que possuímos de forma inata e então revelamos, e sim algo que compreendemos por meio das narrativas que nos são fornecidas por outras pessoas.” Como essas versões alheias refletem um tempo que borrou as fronteiras entre aparência e essência, é lógico que o “eu” tenha se tornado também precário, feito de paradoxos que numa existência ética geram um autoexame constante.

Jia tem 32 anos, nasceu no Canadá e foi criada nos Estados Unidos. Seus pais eram imigrantes filipinos que a matricularam em escolas privadas de qualidade, o que ajudou uma trajetória brilhante em publicações como o site Jezebel e a revista The New Yorker. O autoexame em Falso Espelho se baseia, em parte, nessa questão de origem: a autora com frequência oscila entre a expressão de uma voz de privilégio – afinal, ela encarna o tipo que David Foster Wallace chamava de “obscenamente bem-educado” num contexto de miséria global – e a de quem consegue ver o problema de fora – como mulher, como não-branca, como participante da vida intelectual num período marcado pela barbárie.

Trecho de texto publicado no Valor Econômico, 11/7/2020. Íntegra aqui.