Editorial

por Michel Laub

A Folha andou publicando anúncios (http://goo.gl/eCKv1F) com resumos de suas posições sobre temas controversos do momento. A ideia é boa porque, diante da profusão de notícias, artigos de espectros variados e até editoriais que passam despercebidos no dia-a-dia, é comum achar que um veículo é mais “conservador” ou “progressista” – aspas nestes termos, sempre – que de fato é.

Com os colunistas, imagino que aconteça o mesmo. Ao menos com os que (eu) não costumam falar dos assuntos quentes da semana. Ou têm gosto por frases longas e cheias de penduricalhos argumentativos (eu de novo), que podem soar de muitas formas – nenhuma delas muito decidida. Fica minha contribuição à transparência, portanto, em meio a mais um tolerante período eleitoral.

Publicado na Folha de S.Paulo, 29/8/2014. Íntegra aqui.