Selinho nas trevas

por Michel Laub

Uma coincidência separou em poucos meses, no Brasil, a visita do papa e o lançamento de “Longe da Árvore”, de Andrew Solomon, que sai em setembro pela Companhia das Letras. O livro fala de indivíduos e famílias de indivíduos com autismo, esquizofrenia, deficiência múltipla, síndrome de Down, além de prodígios, transgêneros, surdos, anões, criminosos, crianças geradas por estupro.

Trata-se de um ensaio/reportagem de impacto comparável a “O Demônio do Meio-Dia” (Objetiva), a obra-prima de Solomon sobre depressão. Num ponto, ao menos, ambos convergem: o autor tenta entender sua condição pessoal –como deprimido grave, no primeiro caso, e como gay e pai, no segundo– investigando o conceito de identidade. Ou de algo que com ela se mistura em termos históricos, políticos e científicos: a doença.

Texto publicado na Folha de S.Paulo, 30/8/2013. Íntegra aqui.