Morte (e vida) dos sentimentos

por Michel Laub

Num texto antigo, cômico e triste sobre a indústria dos “filmes adultos” (http://goo.gl/oMhkw), Martin Amis define uma das características da pornografia: a capacidade de identificar, e então explorar de forma vil e inapelável, o que o leitor-espectador-consumidor deseja. É uma longa dança da sedução, para usarmos uma metáfora óbvia sobre o tema, um cardápio imenso de assuntos, registros e abordagens até que o sujeito(a) descubra, aos 13 ou 70 anos, no canto de uma foto, em dez segundos de um filme, aquilo de que realmente gosta.

Publicado na Folha de S.Paulo em 7/6/13. Íntegra aqui.