Formas de matar um escritor

por Michel Laub

Exemplo de frase atribuída a Clarice Lispector na internet: “Ainda bem que sempre existe outro dia, e outros sonhos, e outros risos, e outras pessoas, e outras coisas”. Outro exemplo: “Liberdade é pouco. O que eu desejo ainda não tem nome”. Ambas estão num site que, reagindo ao que o mundo virtual faz contra autores como Luis Fernando Verissimo e Caio Fernando Abreu, dispõe-se a conferir a autenticidade de citações. Tarefa digna, embora eu fique em dúvida sobre o que é pior: a Clarice falsa (sonhos e pessoas) ou a verdadeira (desejo sem nome).

Trecho de texto publicado na Folha de São Paulo em 29/3/2013. Íntegra aqui.