Mulheres do cinema com quem não se deve casar

por Michel Laub

(versão reduzida de texto publicado na revista VIP):

Sharon Stone em Cassino – não porque ela seja uma ex-prostituta junkie apaixonada pelo antigo gigolô, ou agrida você, ou bata seu carro de propósito, ou amarre sua filha na cama enquanto rouba as jóias de casa, mas porque você já tem problemas demais – Joe Pesci, a licença de funcionamento que não sai, o funcionário ladrão protegido do delegado, o cozinheiro que põe quantidades diferentes de recheio em cada muffin para se preocupar.

Heather Graham em Boogie nights – porque não pega bem para uma esposa ficar andando de patins por aí.

Uma Thurman em Kill Bill – porque ela já está casando com outro, e se você tentar impedir, mesmo enterrando-a viva e fazendo-a enfrentar adagas, maças, espadas de samurai, serpentes e oitenta e oito ninjas num restaurante de Tóquio, é bem possível que a coisa não acabe bem.

Naomi Watts em King Kong – porque seus dotes de homem sensível, que trabalha com cinema e gosta de viagens a lugares exóticos, não vão ajudar muito diante desse tipo de concorrência.

Sonia Braga em A dama do lotação – porque não há bilhete único que dê conta.

Lucélia Santos em Bonitinha mas ordinária – porque, embora não seja uma questão de transporte público – afinal, o Cadelão tem um Corcel e a leva de carona para aquele ferro velho no meio do mato –, até para a sempre bem-vinda integração racial neste Brasil mestiço há de haver um limite.